Foot Brazilian World Magazine

Sabado, 15 de Junho de 2024
'Bons números'Veja quanto o Fluminense vai receber pela venda de Brasileiro ao Olympique

Francês

'Bons números'Veja quanto o Fluminense vai receber pela venda de Brasileiro ao Olympique

'Bons números'Veja quanto o Fluminense vai receber pela venda de Brasileiro ao Olympique

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
 
    Rio de Janeiro 11-06-2021 
 
O Flamengo confirmou a venda do volante Gerson ao Olympique de Marselha, da França, em transação de 25 milhões de euros (R$ 160 milhões na cotação atual). Quem também comemora o acerto é o Fluminense. Clube formador do jogador, o Tricolor tem direito a parte do valor total por conta do Mecanismo de Solidariedade da Fifa.
 


O footbrazilianworld  apurou que o Fluminense tem direito a receber 2,5% da transação do jogador para o futebol francês, o que resulta em 625 mil euros (quase R$ 3,9 milhões na cotação atual).

 

  Leiam Mais 

Publicidade

Leia Também:

 

https://www.footbrazilianworld.com.br/noticia/selecao-da-russia-nao-contara-com-brasileiros-nacionalizados-para-amistosos-por-lesoes

 

https://www.footbrazilianworld.com.br/noticia/brasileiro-do-ptt-rayong-tambem-comentou-sobre-seu-desempenho-no-futebol-asiatico




Com aditivos por metas, a venda pode chegar aos 30 milhões de euros (R$ 185 milhões na cotação atual). O Tricolor terá direito a esses 2,5% sobre o valor total de toda negociação internacional com o jogador até o fim de sua carreira.

Gerson chegou ao futsal do Flu aos sete anos de idade e foi desenvolvido em Xerém desde então. Em 2014, ele foi promovido ao time profissional e participou de treinamentos. A estreia foi aos 17 anos, na vitória sobre o Resende, no dia 2 de março de 2015, em partida válida pelo Campeonato Carioca.

 
 

O volante foi vendido em agosto de 2015. À época, o presidente Peter Siemsen anunciou a venda por 16 milhões de euros (R$ 60 milhões na cotação daquele momento). Os direitos econômicos eram divididos entre o Flu, com 70%, a MPI S.à r.l., 22,5%, e a Traffic, 7,5%. A falta de repasse do que parceiros tinham direito gerou processos judiciais ao clube.

 
FONTE/CRÉDITOS: Redação da Foot Brazilian World
Comentários: