Foot Brazilian World Magazine

Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2024
Já no Brasil,Brasileiro assina rescisão com o Guangzhou e fica livre no mercado

Chinês

Já no Brasil,Brasileiro assina rescisão com o Guangzhou e fica livre no mercado

Já no Brasil,Brasileiro assina rescisão com o Guangzhou e fica livre no mercado

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

 Beijing 16-11-2021 

O atacante Ricardo Goulart encerrou oficialmente nesta terça-feira sua segunda passagem pelo Guangzhou Evergrande, da China. O jogador de 30 anos assinou a rescisão com o clube asiático e agora está oficialmente livre no mercado, disponível para fechar com outros clubes. Sua prioridade é um retorno ao futebol brasileiro.

O ex-atleta de Cruzeiro e Palmeiras está longe dos campos do país desde 2019, quando defendeu o clube paulista. Agora, ele aguardará propostas para definir seu futuro após a assinatura da rescisão, conduzida pelo empresário Paulo Pitombeira. Inclusive, o atacante e sua família já estão no Brasil, onde chegaram nos últimos dias.

Publicidade

Leia Também:

 
 

Ricardo Goulart é um dos jogadores estrangeiros mais vitoriosos da história do futebol na China, tendo conquistado três títulos do Campeonato Chinês, um da Liga dos Campeões da Ásia, um da Copa e três da Supercopa do país. Ele foi contratado pelo Guangzhou em 2015, após brilhar no bicampeonato brasileiro do Cruzeiro nos dois anos anteriores, e permaneceu no clube até 2019. Então, foi comprado pelo Palmeiras, e depois recomprado pela equipe chinesa.

 
 

Em cinco temporadas no Guangzhou, defendeu a equipe em 171 jogos e marcou 111 gols no período. Na temporada 2020, foi emprestado ao Hebei, atuando por 1.636 minutos - foi o atleta que mais jogou na liga. Em 2021, de volta ao Guangzhou, jogou 1.179 minutos, em 13 partidas. Ele marcou sete gols neste período.

 
 

O Guangzhou Evergrande vive um grande momento de incerteza depois de dominar o futebol chinês, com oito títulos nacionais na última década. O clube é patrocinado pela gigante do ramo imobiliário Evergrande, que vem sofrendo com uma grave crise e soma uma dívida de cerca de US$ 300 bilhões - que abala, inclusive, o mercado global diante da chance de um calote. Há a possibilidade de que esta seja a última temporada da equipe - ao menos sob o nome da Evergrande. Os atletas e funcionários, desta forma, têm futuro incerto.

FONTE/CRÉDITOS: Redação da Foot Brazilian World
Comentários: