Foot Brazilian World Magazine

Segunda-feira, 15 de Abril de 2024
Veja como Brasileiro superou depressão e rejeição no Brasil para tornar-se ídolo na França

Francês

Veja como Brasileiro superou depressão e rejeição no Brasil para tornar-se ídolo na França

Veja como Brasileiro superou depressão e rejeição no Brasil para tornar-se ídolo na França

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

   Toulouse 27-07-2022 

No sul da França, a modesta cidade de Toulouse encanta com seus monumentos históricos, construções rosadas e vias arborizadas. E é pelas ruas - ou melhor, dentro de campo - da Cidade Rosa que um brasileiro tem conquistado os corações dos moradores. O atacante Rafael Ratão chegou ao Toulouse FC em agosto passado e foi uma das peças que guiaram o clube até a primeira divisão francesa.

Apesar de ter apenas 26 anos, a trajetória de Rafael Rogério da Silva no futebol é extensa. Passou pelas categorias de base do São Paulo - lá virou Rafael Ratão, apelido dado pelos colegas de quarto -, estreou no profissional pela Ponte Preta e daí em diante foi carimbando clubes no currículo, com mais de 13 camisas defendidas em campo.

Publicidade

Leia Também:

 
 

 

Estreia em Toulouse

 

O currículo assustou um pouco na negociação com o Toulouse, mas Rafael tratou de mostrar entre as quatro linhas que era uma boa escolha para o time francês. Na estreia em casa, no elenco titular, fez o primeiro gol logo de calcanhar. E partiu para comemorar com a torcida. No mesmo dia, marcou mais um e o Toulouse goleou por 6 a 0 o Auxerre.

 

Durante a temporada, o ex-Ponte Preta assinou 11 gols e deu duas assistências na campanha que deu o título da segunda divisão ao Toulouse. A doação em campo se converteu em carinho do torcedor que chegou a apelidá-lo de “Neymar de Toulouse” por conta do jeito solto de jogar e das dancinhas nas comemorações.

 
É uma coisa muito boa. O pessoal sempre me para e fala “Obrigada” por tudo que eu fiz e como o time está indo, foi campeão e subiu. Isso me motiva, me deixa feliz e me faz querer trabalhar mais, dar o meu melhor… poder fazê-los felizes
— Rafael Ratão
Atacante Rafael Ratão é destaque do Toulouse e aposta para a Ligue 1 — Foto: Divulgação/Toulouse FC

                   Atacante Rafael Ratão é destaque do Toulouse e aposta para a Ligue 1 — Foto: Divulgação/Toulouse FC

      Início imaturo

 No período que esteve em Cotia, Rafael admite que não teve muita maturidade para aproveitar a oportunidade. Faltava treinos, chegava atrasado e, com isso, foi dispensado aos 14 anos. Chegou a abandonar o futebol por uns meses, mas a paixão pelo esporte falou mais alto e o atacante buscou uma segunda chance na Ponte Preta.

A estreia no profissional veio com 17 anos na Macaca e, mais uma vez, a falta de disciplina atrapalhou o jovem Rafael, que tornou-se um garoto-problema. A vida se encarregou de trazer uma virada para o garoto e, hoje, ele analisa que sua ascensão ao profissional aconteceu de forma rápida.

- Eu acho muito errado os jogadores estarem num sub-17 e subirem direto para o profissional. Em cada base você vai criando uma experiência e o ideal é você ir passando pelas categorias e quando você chegar no profissional, não vai bater e voltar que foi o que aconteceu comigo. Eu tive a questão da indisciplina que acabei errando, mas eu acho que faz muita diferença ter um psicólogo, alguém para conversar, te mostrar as coisas certas, fez muita falta para mim - declarou.

 

Depressão na Eslováquia

 

Foi em território eslovaco que Rafael vivenciou a primeira temporada de destaque na carreira europeia. Defendendo o Slovan Bratislava, o brasileiro garantiu ao todo cinco títulos, entre eles o campeonato nacional e a Copa da Eslováquia. O bom desempenho gerou propostas e foi então que começou um período de desespero para o atleta.

 

"Eu cheguei num ponto que não sentia mais vontade de comer, eu sempre me alimentei normal mas perdi a vontade de comer", diz Ratão.

 

- Chegava, sentava na sala, não comia, às vezes chorava, tinha dificuldade para dormir também. Me abalou bastante, ali teve um começo de depressão. Mas eu vim para Toulouse e as coisas melhoraram - admitiu.

Rafael Ratão atuou duas temporadas no Slovan Bratislava, da Eslováquia — Foto: Divulgação Slovan Bratislava

              Rafael Ratão atuou duas temporadas no Slovan Bratislava, da Eslováquia — Foto: Divulgação Slovan Bratislava

- No Brasil, os jogadores precisam procurar mais um psicólogo porque eu sei que foi muito importante e fez a diferença. Faz ainda. Ter um cara para poder conversar, planejar suas metas, te ajudar, te incentivar. Eles sabem o que a gente precisa nas situações difíceis e acabam passando o que pode ser importante para nós. É uma coisa normal porque quando tu começa um hábito e vai dando certo, você mantém, se acostuma. É muito importante ter um psicólogo esportivo - afirmou.

 

Proposta do São Paulo e expectativa de jogar a Ligue 1

 

Ratão recebeu sondagens de outros clubes nesta janela de transferência. Dentre elas, uma proposta de empréstimo do São Paulo. Mas, em comum acordo com a presidência do Toulouse, o atleta achou melhor permanecer na França. O Toulouse é o foco de Rafael Ratão no momento, é o local onde ele deseja conquistar títulos e fazer história.

- Lógico que é gostoso a gente receber sondagens, ofertas. Pensamos logo em situações que podem mudar a nossa vida, mas eu estou tranquilo porque também quero disputar a Ligue 1, quero ter essa experiência, jogar com esses clubes e isso me motiva a querer mais.

 
 
Minha família é são-paulina, eu passei pela base do São Paulo, então eu fiquei feliz não só pelo interesse, porque me dá orgulho pelo trabalho que estou fazendo, e pela grandeza do São Paulo
 

 
 

 

 
FONTE/CRÉDITOS: Redação da Foot Brazilian World
Comentários: